SONDAGEM DO SOLO

Procedimento geotécnico de campo para reconhecimento de amostra do subsolo. Associando a sondagem com o ensaio de penetração dinâmica (SPT) NBR 6.484/2001, é possível medir a resistência do solo.

Determinar o tipo de solo a cada metro, através da retirada de amostra.
Conhecer o nível de resistência oferecida pelo solo.
Localizar as posições dos níveis de água no solo.

A sondagem SPT-T é uma ferramenta de investigação geotécnica que consiste na medição do torque em sondagens de simples reconhecimento.

Esse método de sondagem indica a posição do nível de água, a determinação dos tipos de solo em suas respectivas profundidades de ocorrência, os índices de resistência à penetração e os momentos de torção do amostrador medidos pelo torque.

A medida do torque, quando solicitada, é efetuada ao término de cada ensaio de penetração SPT. Cravado os 45 cm do amostrador-padrão, conforme normal NBR-6484, retira-se a cabeça de bater e acopla-se o adaptador de torque, verificando-se a medida de torque máximo e torque residual através de um torquímetro, devidamente calibrado, medidos em Kgf.m.

Atingido o impenetrável ao Ensaio de Penetração Padronizado – SPT e havendo interesse no prosseguimento da sondagem pelo método a percussão, deve-se iniciar o processo de lavagem com ensaios de lavagem por tempo, conforme descrição no item (A) a seguir e atendendo  à limitação de avanço indicada no item (B):

  1. A. O ensaio de lavagem por tempo é utilizado numa sondagem a percussão com o objetivo de se avaliar a penetrabilidade do solo ao avanço do trépano de lavagem. Consiste na aplicação do seguinte processo:
  • Quando o avanço se fizer por lavagem,  deve-se erguer o sistema de circulação de água a 30 cm a partir do fundo do furo. Durante sua queda livre, deve-se imprimir, manualmente, um movimento de rotação no hasteamento por 30 min. anotando-se os avanços obtidos a cada período de 10 min.

Qual é o equipamento utilizado? As características das hastes de perfuração, cravação do amostrador padrão e de lavagem por tempo devem ser idênticas para todos os equipamentos, durante todo o serviço de sondagem numa mesma obra.  O trépano, ou peça de lavagem, deve ser uma peça de aço, com diâmetro nominal de 25 mm, terminada em bisel, dotada de duas saídas laterais para a água e comprimento mínimo de 20 cm.  Para os ensaios penetro métricos, as hastes deverão ser do tipo Schedule 80, retilíneas, com 25,4 mm (1″) de diâmetro interno e dotadas de roscas em bom estado, que permitam firme conexão com as luvas, e massa de aproximadamente 3 Kg/m. Quando acopladas, as hastes deverão formar um conjunto retilíneo.

  1. B. Quando no mesmo ensaio de lavagem por tempo forem obtidos avanços inferiores a 5 cm por período, em três períodos consecutivos de 10 min, o material será considerado impenetrável à lavagem.

O impenetrável à lavagem por tempo, como critério para o término da sondagem a percussão, não implica na eliminação dos ensaios de penetração SPT, devendo ser observadas as seguintes condições:

  • A cravação do barrilete será interrompida quando se obtiver penetração inferior a 5 cm após dez golpes consecutivos, não se computando os cinco primeiros golpes do teste, ou quando o número de golpes ultrapassar 50 em um mesmo ensaio (45 cm do amostrador). Nessas condições, o material será considerado impenetrável ao SPT, devendo ser anotados o número de golpes e a penetração respectiva.

No caso de o material voltar a ser penetrável, deverão ser executados ensaios SPT nas cotas já definidas.

Não é permitida a adoção de critério de impenetrável à lavagem por tempo para o término da sondagem a percussão, quando estiver prevista a sua continuação pelo processo rotativo. Nesse caso, a mudança do método deve ser feita quando atingido o impenetrável aos ensaios SPT, conforme condição acima esclarecida.


Bibliografia recomendada:

ABNT NBR 6484/01 – Solo – Sondagens de simples reconhecimentos com SPT – Método de ensaio

Entre em contato conosco e solicite um orçamento!